Follow by Email

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Os 12 Elos da Roda da Vida (Parte 2)


Bhava é a ação mental ou intenção causada pelos dois elos anteriores: o anseio e o apego. É a causa imediata de um novo renascimento de uma existência cíclica. Sua natureza determina se nós teremos uma manifestação virtuosa ou não. Se os nossos impulsos são negativos, essa próxima manifestação terá essas características. Se os nossos impulsos são positivos, a nossa próxima manifestação terá essas características positivas. Embora o anseio e o apego sejam delusões, na hora da morte eles causam uma mente com determinado direcionamento e podem definir em que tipo de lugar nós vamos renascer. Em que tipo de família, em que tipo de país, em que tipo de ambiente, em que tipo de reino, na linguagem budista.

Isso nos leva ao décimo primeiro elo, que é o nascimento interdependente, jhati. Este elo significa que esta consciência reuniu tal força cármica, esse quantum de consciência reuniu suficiente energia para uma próxima manifestação, e isto faz com que ele ingresse nesta. Então há uma vida nascendo e esta consciência se incorpora nessa vida nascente, esse quantum de consciência, levando todo aquele carma para essa vida nascente, naquela circunstância, e é isso que cria as diferentes condições mentais de nascimento, as personalidades etc. Elas só podem ocorrer se há afinidade entre a genética daquele ser e aquele quantum de consciência. Você não se manifesta numa genética não afinada com aquilo que você na realidade é.

(continua)

[Trecho extraído de palestra proferida em Florianópolis, 23/08/2016, por Meihô Genshô Sensei]

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Os 12 Elos da Roda da Vida (Parte 01)



 
Nossa própria originação advém de uma cadeia de elos que se repete. O primeiro elo é a ignorância (avidya), um agarramento que motiva uma pessoa a criar as condições para renascer no samsara

O segundo, a composição interdependente, o samskara, as marcas cármicas que nós fazemos e que criam os impulsos que nós chamamos de carma. 

O terceiro elo é a consciência interdependente, vijnana, que não pode ser confundida com um eu inerente, mas sim com quantum de carma que deixa uma marca que gera a próxima manifestação.

O quarto elo, denominado nome-forma, nama-rupa, os agregados que nos constituem. Contato, sensação, percepção, formações mentais, a própria consciência, o próprio fenômeno consciência. 

As fontes interdependentes, sadayatana, quinto elo, são as faculdades sensoriais e a faculdade mental. 

O sexto elo é o contato, sparsa, fator mental que acompanha cada momento de consciência. Ele surge do nosso contato, da nossa sensação, nossa faculdade sensorial e nos faz definir se gostamos, se não gostamos, se somos indiferentes a uma coisa. 

O sétimo elo é a sensação interdependente, vedana, que se segue ao contato.

O oitavo, o anseio, tanha, é o nosso apego que gera o impulso que nos leva a nos manifestarmos novamente. Ele é extremamente importante na hora da morte, porque a mente que você tem na hora da morte é a mais definidora do que vai acontecer a seguir.

O nono elo, o agarramento interdependente, padana, a intensificação desse desejo que nos faz ter a ação. 

O décimo elo, a existência interdependente, bhava, que é a primeira que nós vamos comentar.

(continua) 

[Trecho extraído de palestra proferida em Florianópolis, 23/08/2016, por Meihô Genshô Sensei]