Follow by Email

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

O Movimento Mahayana (Parte 03)



Daí surge um Sutra muito importante que é o Sutra de Vimalakirti, que é sobre um comerciante. Esse é um Sutra do Séc. I e marca o momento em que o budismo mahayana se distancia do movimento anterior, porque transforma em herói, em iluminado, em melhor que os monges, um comerciante. O Sutra diz que todos podem ser Bodhisattvas, inclusive os deputados, senadores, etc. Se quiserem, se tiverem a conduta adequada podem ser Bodhisattvas e beneficiar todos os seres. Não é intrínseco ao papel de leigo uma dificuldade, mas o que importa é a sua atitude.

Vimalakirti diz aos discípulos de Buda: “meu mosteiro é na cidade, o seu é na montanha, mas o meu é lá onde estão as pessoas que precisam de dinheiro e de comida, é lá que eu trabalho”. Ao fazer isso, ele acusa implicitamente os discípulos de Buda, os monges, de serem parasitas sociais e de estarem apenas recebendo da comunidade sem alimentá-la, sem retribuir a ela com o seu trabalho, o que é diferente do que ele faz. Esse é o grande momento do Sutra.

Então é um Sutra combativo na sua declaração, e depois dele vem uma conciliação, através do Sutra do Lótus, que tenta acalmar essa situação dizendo que os monges têm um papel, que os leigos têm outro papel e que nós podemos conciliar isto. Esse Sutra também se torna muito importante dentro do movimento mahayana.


A essência de tudo isso que estamos falando é de que a prática budista é possível dentro do mundo, dentro do trabalho, e isto é uma marca da nossa própria comunidade budista Daissen-Ji, porque eu mesmo, que a fundei, ainda trabalho hoje. Trabalho como monge e trabalho como consultor de empresas para poder viver, então não vivo do que a sangha dá, e sim baseio a minha sobrevivência num trabalho profissional. Estou inserido no mundo, então o nosso modelo é o de Vimalakirti, esse grande personagem deste Sutra histórico.

Ao mesmo tempo, nós tentamos conciliar o trabalho dos monges com o trabalho dos leigos, que é um trabalho importantíssimo, porque sem os leigos nós não conseguimos fazer as sanghas funcionarem. Os monges são muito poucos dentro de um modelo como esse e isso exige um enorme sacrifício, que é o de trabalhar duplamente.
 



[Trecho de palestra proferida por Meihô Genshô Sensei]