Follow by Email

sexta-feira, 28 de abril de 2017

"Penso, logo penso que existo"




Como seria para o Budismo? Não existe fim, então existe o quê? Fazer parte do vazio?


Monge Genshô: o vazio é o vazio de um eu. O Budismo nega as duas vertentes: não é que nada existe, niilismo; nem  que as coisas sejam permanentes, negando também o eternalismo. O Budismo diz que o Universo é cíclico, pois ele surge e desaparece; e também nega o niilismo, ou seja, que nada existe. Você não tem um eu inerente, só pensa que tem. No Zen, ao invés de dizermos “penso, logo existo”, dizemos: “penso, logo penso que existo”.