Follow by Email

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Carma e individualidade


Akiba Roshi, Mestre no Angô de Yokoji, sai do Hattô com seu oryoki.

P: Por que se retrata o corpo humano como altamente difícil de obter e o único útil para a transcendência?

R: Porque é uma condição em que estão presentes simultâneamente tanto o sofrimento quanto a possibilidade de entendimento, a dificuldade de obter um nascimento humano é uma questão de olhar a multiplicidade de manifestações cármicas em comparação com os nascimentos humanos.

P: Neste caso, considera-se que o carma permanece oscilando entre reino animal, reino dos deuses, etc e reino humano de forma aleatória, rodando, até que um dia surja o desejo por liberação? É completamente ao acaso? O carma não se desgasta seguindo uma lógica?

R: Parece que você retorna sempre a tentativa de ver o carma como individual ou como uma espécie de unidade, não é assim, somos produtos cármicos não indivíduos que carregam carma, mas existe parcela de influência cármica coletiva, de país, de época, de nosso planeta etc...a forma de manifestação de um quantum cármico depende de condições de amadurecimento para tanto, assim também as condições para o desejo de liberação. Os carmas tendem a se esgotar sim.

P: Pelo que tenho estudado, cada um de 'nós' somos carmas que têm perambulado eternamente, desde um momento que não tem início. Mas embora esses carmas individuais não tenham início, eles terão um fim.

R: Não, não são carmas individuais, manifestam-se como indivíduos mas não são indivíduos. Aí há uma compreensão linear do tempo, com início ou fim, este não é assim, na verdade, segundo Dogen, tudo é tempo condensado em um único ponto.

P: Como assim? Quando os carmas individuais são dissolvidos, no Nirvana, eles se juntam a outros carmas que estiveram perambulando eternamente em samsara?

R: Quando há Nirvana é porque o carma se esgotou. Não há nada a ser juntado, não há nada com que se unir.