Follow by Email

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Leonard Cohen, um zen budista.

Foi então que ele conheceu Sasaki Roshi, um mestre do budismo zen, que seria um amigo valioso pelo resto da vida e determinaria sua decisão, por volta de 1994, quando estava prestes a fazer 60 anos, de se tornar monge e viver por seis anos no centro budista de Mt. Baldy, em Los Angeles, trabalhando como motorista e cozinheiro. Lá ele foi rebatizado como Jikan, que significa ''o silencioso''. A aparente contradição está em perfeita harmonia com sua personalidade, que nunca cedeu às expectativas dos outros e sempre manifestou um gosto pela ambiguidade, ou, em outras palavras, por colocar mais questões do que respondê-las, de forma gentilmente provocativa. A influência de Sasaki Roshi se estendeu para sua obra, que deixou um pouco de lado o humor quase sarcástico do álbum de 1974, New Skin for the Old Ceremony, que surpreendeu pela variação de temas, arranjos e ritmos, e os equívocos de Death of a Ladies Man (1977), que trazia Bob Dylan e Allen Ginsberg nos backings de uma canção e Suzanne na capa. Em Recent Songs (1979) e principalmente em Various Positions, gravado depois de um longo período de reavaliação, em 1984, Cohen desaparece para em seu lugar surgir um compositor ainda mais sutil e profundo, com canções de grande ''sensualidade espiritual'', como a belíssima Hallelujah, o que levou Dylan a comentar que eram como orações. O tempo como cozinheiro do mestre e amigo Sasaki Roshi, em que acordava todos os dias às 3 da manhã para trabalhar e meditar, rendeu um livro de poemas e desenhos, The Book of Longing, e um novo disco depois de nove anos. Ten New Songs (2001), meio soul, meio gospel, foi gravado em sua garagem e escrito em parceria com uma de suas backing vocals, Sharon Robinson. O reflexivo Dear Heather, três anos depois, traz letras mais diretas e uma voz mais rouca e sussurrada. É o efeito dos cigarros e de 70 anos bem vividos. Sobre a idade, aliás, ele disse, com serena sabedoria: ''À medida que você envelhece, passa a ter menos interesse pela nova versão da realidade''. (Trecho do blog http://danielbenevides.blogosfera.uol.com.br/2012/04/04/leonard-cohen-o-monge-hedonista/) Cohen morreu em 7 de novembro de 2016, aos 82 anos[8][9], em sua casa em Los Angeles.[2] Sua morte não foi anunciada até 10 de novembro.[10] Um memorial está sendo planejado para acontecer em Los Angeles em uma data futura. Cohen deixou seus dois filhos e dois netos.[11][12] Em uma entrevista concedida cerca de um mês antes, Cohen confessou que já estava preparado para sua morte. (wikipeadia)