Follow by Email

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Mais alfaces


P: O vegetarianismo de alguns budistas não é radicalismo? Afinal, quando comemos alfaces não as matamos?

R: É verdadeiro que a vida vive da vida. É impossível viver sem causar sofrimento. Como disse um amigo meu, Lama tibetano: "budistas comem de tudo, mas no centro temos uma dieta vegetariana". A idéia não é radical, é de que podemos diminuir o sofrimento já que viver já o produz, pois vivemos de outros seres. Pelo menos no meu caso, não digo o que é certo ou errado. No zen não se pode fazer esta distinção.

Os que comem carne estão certos; os que não comem por compaixão aos seres que têm sistema nervoso(diferentes de alfaces) estão sentindo a dor dos outros seres, tentando diminuir o sofrimento inevitável que viver causa. Estão, à sua maneira, certos também. É o nível de sua percepção que é diferente.

É a sua condição cármica que os faz sentir assim. Outros nada sentem quando caçam, por exemplo. Trata-se de sua condição mental. Por essa razão, você verá tantas atitudes como as do Lama, ou as dos mestres zen que aceitam comer carne quando lhes oferecem, mas que nos mosteiros praticam um vegetarianismo sem exibições.