Follow by Email

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Acolhida


Estátua de Buda em templo Vietnamita, CA, EUA. Note-se figura de Buda menino ao colo da estátua grande, influências chinesas são visíveis na decoração interna.

Acolhida

Se eu tiver passado pela vida tendo enxergado o suceder das estações – o cair das folhas no outono, as baixas nuvens no inverno, os vendedores de rosas no trânsito, anunciando a primavera, e a intensidade do verão banhando de suor os trabalhadores urbanos...

Se eu tiver sorrido para os estranhos em tom de acolhida e amado sinceramente meus amigos...

Se eu tiver valorizado mais as pessoas do que as coisas e puder contabilizar um saldo positivo de palavras gentis e gestos carinhosos e economizado na impaciência e rispidez...

Se tiver percebido o sol poente colorindo as nuvens poluídas de um rosa improvável, em meio ao cinza triste dos prédios...

Se eu tiver ouvido os pássaros ao longe, em meio ao caos urbano e sorrido intimamente com a alegria dos homens nos bares de esquina, ao assistirem o gol do seu time em mesas regadas à chope, no fim das tardes...

Se eu tiver perdoado, mais do que acusado, e se tiver feito mais bons julgamentos do que maus juízos...

Se tiver sabido entregar inteiramente meu coração a alguém, sem dúvidas nem perguntas...

Se tiver praticado o bom sexo, encontro pleno entre duas pessoas...

Se tiver sabido o que é família e me dedicado a ela, cultivando os afetos com devoção e não obrigação, com amor e sem cobranças...

Se tiver respeitado a memória dos que já se foram e aprendido a ouvir os que já viveram o suficiente para saberem-se pequenos, imperfeitos, finitos...

Se eu tiver feito mais perguntas do que afirmações e assumido, com honestidade, franqueza e coragem, minhas dúvidas e inseguranças...

Não terá sido suficiente?

O que estamos esperando, afinal, das nossas realizações? O que mais devemos exigir? Quanto mais é justo que nos cobremos? De que mais sucessos quereríamos nos orgulhar?

Já não bastaria?

Vivemos um mundo exigente demais, cuja tônica mais forte é a cobrança e a culpa permanente de não estarmos correspondendo, de nunca sermos eficientes, capazes, disponíveis o suficiente...

Por que nos permitimos ser reféns de nossas próprias cobranças? A quem queremos satisfazer? O que queremos provar?

O quê, de fato, buscamos? Sucesso ou felicidade?

Nessas palavras, busco um pouco mais de acolhida, de condescendência, de compaixão conosco: um auto-olhar terno, de quem, conhecendo seus limites, sabe-se um sobrevivente. De quem assumiu os riscos e arriscou. De quem perdeu às vezes, ganhou às vezes, e olha com candura para o próprio saldo, sabendo-o positivo. Sabendo-o, sobretudo, valioso.

Precisamos encontrar em nós mesmos o colo da avó perdida: a acolhida amorosa, que nada cobra, que orgulha-se de nós em nossos menores feitos, que nos acha vitorioso mesmo quando pensamos ter fracassado. E quem dera, um dia, podermos ser essa avó, que de fato surpreende-se com a perfeição do mundo, com o milagre de ver aqueles seres incríveis em que se tornaram seus netos – que transitam com tanta desenvoltura em um mundo tão transformado, tão mais rápido, tão mais exigente.

Que não nos deixemos atropelar.

(Texto escrito por Valéria Chalegre após falecimento de uma avó querida)