Follow by Email

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Repressão em Myanmar

Amigos e Irmãos no Dharma,

É com grande preocupação que o Colegiado Buddhista Brasileiro vem a público comentar as ações que se desenrolam nos últimos dias na antiga Birmânia, atual Myanmar, onde milhares de monges budistas fazem um protesto pacífico contra a junta militar que governa o país.

Segundo fontes da imprensa os monges tomaram as ruas de Yangon, capital do país, entoando Sutras, dentre eles o Metta que exalta o amor e a compaixão dos seres humanos. O que começou com algumas dúzias de manifestantes tornou-se uma das maiores manifestações naquele país,
contudo, com uma característica ímpar: imbuídos de extrema compaixão, os monges estão pedindo para a população leiga que não os acompanhe, nem façam qualquer movimento contra o governo, para que tais leigos não sofram represálias do governo.

Soubemos por fontes da imprensa que a repressão do governo se iniciou hoje, em ações violentas contras os monges, sendo que os seis principais templos da capital birmanesa foram cercados por forças fiéis ao governo e vários monges foram presos e espancados.

O CBB apela a todos os budistas e simpatizantes de nossa religião e mesmo aos membros de todas as outras denominações reliosas que apóiem de alguma forma esses corajosos representantes do Dharma que puxaram para si a responsabilidade de protestar contra as atrocidades do governo para com a população. Esse apoio pode ser feito de várias maneiras, desde intervenções juntos aos poderes nacionais e internacionais até a simples e necessária oração para o povo birmanes, seus governantes e nossos irmãos monges, para que a questão seja
resolvida pelas vias não-violentas como pregou, Sidharta Gautama, o Buda.

Mesmo nesse momento de grande pressão e opressão, os monges birmaneses seguem fiéis aos ensinamentos do Tathagata, elevando sua compaixão e altruísmo às últimas consequências, que esperamos serem as mais serenas possíveis por parte do governo birmanes.

Vamos aguardar o desenrolar das ações, mas pedimos a todos que não se abstenham, nem virem seus rostos para longe, pois as vidas desses monges dependem da pressão internacional e para provocar essa pressão precisamos nos manifestar, seja por emails aos consulados americanos,
tailandes, chines e europeus, bem como, para o Itamaraty e veículos da imprensa.

O CBB possui em seu quadro de diretores e em seu conselho consultivo, representantes do budismo Theravada que através de seus contatos na Ásia tentarão nos manter informados do desenrolar dos acontecimentos.

Sarva Banthu Mangalam!!!!

Metta, Omitofo, Tashi Delek, Namo Amida Butsu, Gassho...

Mauricio Ghigonetto (Shaku Hondaku)
Presidente
CBB
( Demais diretores também subscrevem)