Follow by Email

quarta-feira, 5 de junho de 2013

A solução que Buda ensinou



Pergunta - O senhor falou em más noticias...

Monge Genshô – Antes havíamos falado sobre as más noticias, não é? Que são na verdade as realidades da vida. A boa noticia é que é possível ser feliz e despertar das ilusões. Você deve treinar sua mente para obter outra ótica da vida e poder viver mais feliz. Quando você observa os grandes mestres, eles estão sempre sorrindo, sempre de bem com a vida. Você pode pensar mas como em mundo como que temos eles podem estar de bem com a vida? Isso é obtido através do esforço e da meditação, não através de milagres ou fé.

Pergunta – Lendo um texto seu sobre as Quatro Nobres Verdades e estudando outras escolas, pude perceber que as Quatro Nobres Verdades estão em todas as escolas. Gostaria que o senhor explicasse porque as Quatro Nobres Verdades são a essência do Budismo.

Monge Genshô – As Quatro Nobres Verdades são a apresentação de um problema e sua solução. O primeiro discurso de Buda foi sobre as Quatro Nobres Verdades. A vida é insatisfatória, instável, insegura e cheia de altos e baixos, essa é a primeira Nobre Verdade. Existe uma tradução que fala em sofrimento, mas é apenas uma tradução fácil, ele fala que a vida é cíclica. Se a vida é dessa forma, existe uma causa para isso, a segunda Nobre Verdade. Se existe uma causa, essa pode ser removida, a terceira Nobre Verdade. E no quarto passo Buda dá a solução, a maneira, o caminho para remover o sofrimento e logo em seguida apresenta o Nobre Caminho Óctuplo, que é uma forma de conduta e forma de prática que o conduzirão ao despertar, a libertação do sofrimento que ele apresentou nas Quatro Nobres Verdades. São eles; compreensão correta, pensamento correto, fala correta, ação correta, modo de vida correto, esforço correto, atenção plena e meditação correta. Importa salientar que só a meditação correta não é suficiente, você precisa observar todos os sete anteriores de forma plena. De nada adianta você praticar meditação e sair falando palavrões, fazendo críticas aos colegas e professor ou fazer fofocas. Não adianta meditar e praticar furtos ou roubos.