Follow by Email

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Nada de especial mas tudo diferente



Nós estamos sonhando as nossas vidas. Não são assim tão reais. Nós somos a própria vida ou o próprio universo, só que nós não enxergamos. Só enxergamos a nós mesmos. Abrimos os olhos, olhamos os outros, tocamos nas coisas e pensamos “EU SOU”, e isso é a nossa angústia existencial, porque não queremos que esse “EU” desapareça temos pavor da morte.

Só que se você enxergar sua verdadeira natureza, desaparece o medo de morrer. E toda angústia existencial e as questões sobre a vida, todas se dissolvem, todas as respostas surgem. E isso é o KENSHO, a experiência iluminada, que pode acontecer a qualquer momento e durar muito pouco tempo. Você praticou zazen, sai, vê uma árvore, e durante alguns segundos, você “viu”, sua verdadeira natureza. Não existe separação entre você e nada, e tudo é lindo e perfeito. Tudo é maravilhoso. E aí, no primeiro pensamento, você perde. Na primeira consideração, você perde o Kensho.

Por isso é uma experiência limitada no tempo. Você viu sua verdadeira natureza, mas perde logo em seguida. Não é nada tão absurdo assim. Muitas pessoas que nem praticam, às vezes têm uma experiência de Kensho. Levantam de manhã, estão com a mente vazia, abre a janela, sentem um perfume, uma onda de felicidade, e alguém diz: “vem tomar café!”. Pronto. Perdeu tudo.  Aquilo foi Kensho. Imagine viver a vida toda com essa sensação? Isto, viver a vida toda com essa sensação ou poder recuperá-la quando quiser, chama-se SATORI, e este é o despertar verdadeiro.

Então você pratica o Zazen, pratica o Samadhi, que cria o terreno, para as experiências de Kensho, que acumuladas, tornam-se cada vez mais fortes e permanentes e nós chamamos de Satori. E isso é o despertar.

E aí ficam tranquilos, serenos, felizes, sem se perturbar com as coisas. Porque vêem a vida como ela é. Um mero jogo, um mero transcorrer do fluxo, não há nada tão importante. Tudo vai passar. Isso é Satori. É a iluminação, nada de especial mas tudo é diferente.