Follow by Email

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

ALÉM DAS PALAVRAS


Pergunta – O Zen é meditação, certo? Ele é um corte, axiológico do próprio budismo. Só que ele tem um caminho próprio dele, o senhor falou aí no aspecto da ortodoxia. Inclusive o Zen é uma divisão, e o senhor fez uma analogia entre o judaísmo e o cristianismo, só que o cristianismo tem um livro próprio, e seus próprios princípios cristãos, que foram escritos, etc, então porque o Zen ainda é indexado ao budismo, se ele manteve a linha própria dele?  Porque ele tem fundamentações para andar sozinho. O Senhor mesmo colocou que os papéis são simplesmente coisas explícitas, escritas, e o tácito, o não escrito, é a base do Zen, então porque o Zen Budismo, não é somente o Zen?

Porque o Zen, do ponto de vista do Zen, é budismo. Eihei Dogen, fundador da nossa escola no Japão disse: isso é budismo, esses são os ensinamentos de Buda. Quando Buda ensinou, ele não escreveu textos. Os textos só foram escritos 3 séculos depois da morte de Buda por compilação de memorização oral, embora muito cuidadosa. Aliás, esses grandes líderes espirituais do passado, têm essa semelhança.  Cristo também não escreveu nada. Os evangelhos foram escritos décadas depois da morte dele em língua diferente da que ele falou, praticamente todos eles foram escritos em grego.

O budismo diz que o Zen consiste na transmissão de Buda para Mahakashiapa, porque ele levantou uma flor, numa assembleia sem dizer uma palavra e Mahakashiapa sorriu, e então ele disse: “Mahakashiapa foi o único que entendeu” o verdadeiro ensinamento, a verdadeira transmissão, é uma transmissão além das escrituras.

O Zen tem muitos textos? Tem, mais que qualquer outra escola. Os professores estão sempre falando? Sim, sempre falando, e dando palestras. Eu perguntei para meu mestre, “por que falamos tanto”? E ele disse: “porque isso é tudo que nós temos”. Não temos outra maneira de transmitir, além da palavra, dos livros, dos ensinamentos. Então o Zen quer dizer: “nós somos o ensinamento, aquele de Buda para Mahakashiapa”.

Surgiram muitas escolas, dos mais variados tipos, elas têm sentido? Tem, porque as pessoas são diferentes. Há pessoas devocionais, há pessoas estudiosas, há pessoas que querem se remeter ao significado das palavras originais, todas essas escolas têm suas virtudes. O Zen também tem suas virtudes ao querer voltar à prática original de Buda - Buda sentou em zazen, então nós vamos sentar em zazen. Se Buda sentou nessa postura, então vamos sentar nessa postura, porque nós vamos imitar Buda. Essa é a essência do Zen. Mas ela serve para todo mundo? Não, não serve para todo mundo. As escolas budistas são necessárias porque as pessoas são diferentes. As outras religiões também são necessárias, porque as pessoas são diferentes. Existem pessoas que precisam trilhar aquele outro caminho, e por isso essa diversidade não é pobreza, é riqueza.

Porque o Zen precisaria seguir o seu caminho, afinal de contas cada mestre segue o seu, os alunos seguem o mestre que querem! Então já existem múltiplos caminhos, certo?