Follow by Email

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Compaixão e dualidade


P. Mas em alguém iluminado estas virtudes fazem parte dele também?

R. Sim, mas aí ele não precisa mais fazer esforço, quando alguém está iluminado a prática da generosidade, da paciência, da compaixão são completamente naturais porque se ele está iluminado a dor do outro é a dor dele então como ele sente isto naturalmente não se precisa dizer para ele que seja compassivo porque a compaixão é a natureza dele.

P. Compaixão sem dualidade?

R. Agora nós estamos trabalhando a linguagem, o que você está dizendo está certo também. Normalmente quando a gente diz compaixão, compadecer quer dizer padecer com significa na etimologia da palavra, com o outro, então implica a existência de eu e o outro por isto a palavra não é apropriada para expressar o que você está dizendo, segundo o que eu entendi o que você está dizendo é que o ser iluminado sente compaixão sem esta dualidade, é natural a percepção do padecimento do outro, mas aí é porque entre ele e o outro não tem mais distância.

P. Quando nos apiedamos é compaixão?

R. Eu não posso dizer porque normalmente nós sentimos pena e não compaixão. A compaixão seria uma identificação mais profunda , mas agora nós já estamos falando sobre palavras o que torna tudo mais difícil porque ficamos presos à etimologia, ao significado, será que quer dizer isto, será que quer dizer aquilo, e na verdade no Zen nós dizemos sempre que não dá para ensinar isto. Todos, já tem uma certa noção do que nós estamos falando, as pessoas tem experiências bem claras a este respeito, é freqüente a gente dizer eu sinto pena do mendigo que está na calçada e aquilo até pode me estragar alguns momentos da vida porque eu sinto pena dele, mas eu sinto realmente compaixão pela dor de um filho, uma mãe diz assim: preferia que fosse em mim, aí é compaixão. A mãe diz: eu preferia perder o olho e não ver o filho perder o seu, aí é compaixão.