Follow by Email

quarta-feira, 23 de maio de 2012

O eu morre todos os instantes



P. Mas esse também é um processo de morte...
R. É e não é, se nós dizemos que é um processo de morte pareceria thanatos, pareceria a coisa negativa, triste, uma vez uma psicóloga, amiga minha disse: mas você se veste de preto? Isto é deprimente...eu não sinto que é deprimente, em absoluto eu não sinto isto, não sinto que este preto do zen é deprimente porque ele é tão misturado com branco, e esta cor significa tradicionalmente dignidade, abdicação, esquecimento de si, não querer aparecer,  é a cor mais fechada, mas em absoluto não tem significado para mim de deprimente...
A cor tradicional do budismo, na realidade, desde o tempo de Buddha, é o açafrão porque Buddha juntou tecidos de mortalhas, sujos de sangue, pus e cortou as partes que ainda estavam suficientemente boas, limpou tudo cuidadosamente e costurou e jogou dentro de açafrão, então o manto budista tradicional tem esta cor do açafrão, amarelo forte, na nossa tradição, na tradição Soto, o que também acontece no cristianismo os hábitos começam pretos e só depois é que eles mudam de cor...

P.É possível fazer uma analogia com a questão do ego e das ilusões, por exemplo, como se fosse uma gigantesca pedra de carvão com diamante lá dentro para ser lapidado...
R. Você leu esta imagem? Não? Esta imagem é usada no budismo, a pedra preciosa, diamante com carvão ou com barro em volta, é uma analogia fácil porque todos nós temos esta natureza búdica dentro de nós...

P. É neste sentido que o morrer não seria tão negativo, quer dizer cortar este carvão e... 
R. Na verdade, em última análise, morrer é impossível ...

P. E o ego?
R. Mas este ego ele morre todos os instantes porque a mente que você estava no início do sesshin não é a mesma agora, então aquele ego, aquele conjunto de funcionamento que a gente chama ego já morreu de lá para cá então isto está acontecendo a todo tempo nós é que não percebemos ...