Follow by Email

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Comunidades e identidades



As pessoas olham as comunidades religiosas e ficam admiradas que ali existam divisões e luta pelo poder, ciúme e fofocas. Mas todos que procuram as comunidades religiosas são doentes. Ao chegar à uma comunidade pensa-se que tudo é maravilhoso, muitos vêem um mundo maravilhoso, mas é um mundo de pessoas comuns. Se formos até um hospital, seria tolo lermos “Casa de Saúde” e ao entrarmos estranharmos vermos muitas pessoas doentes e perguntar: - Como nesse lugar onde existem tantos médicos as pessoas adoecem? Todos que procuram a prática espiritual procuram por alguma inquietação. Se existe inquietação e angústia existencial é porque dentro de nós as coisas não são tão boas assim.

Na semana da pátria teremos um retiro. Considero “pátria” um grande engano. Quando pensamos em pátria, terra dos pais, nos distinguimos dos outros. Nós brasileiros nos distinguimos dos argentinos, uruguaios e bolivianos. Se não tivéssemos pátria não teríamos necessidade de exércitos, não gastaríamos tanto dinheiro em máquinas de guerra. Eu tenho uma experiência sobre isso. Na copa do mundo de futebol na França eu estava em Paris e uns amigos me convenceram a colocar uma camiseta da seleção brasileira. Fomos à um restaurante e assistimos o jogo no meio dos franceses. No final do jogo fomos muito bem tratados pelos franceses. O dono do restaurante não nos deixou pagar a conta e nos diziam que éramos o povo mais maravilhoso do mundo. O metrô não funcionava e tivemos que ir andando até o hotel. Ninguém havia nos insultado, até encontrarmos um grupo de argentinos. Eles iam atrás de nós gritando, “vocês voltarão a pé até a América do Sul”. Nesse momento foi possível sentir nitidamente o que é ter uma pátria. Mas essas sementes foram plantadas em nós por quem? Quem nos convenceu que somos brasileiros? Quem nos convenceu que somos árabes, cristãos ou xiitas? As sementes foram plantadas com ensinamentos, cultura e coisas que nos disseram. Depois, como ficamos permeados, "vachana", impregnados dessas informações, pequenos eventos podem fazer brotar as sementes do carma e estas tolas identidades nacionais.

Isso é o carma, por isso um mau ato pode não florescer nessa vida, pode não germinar, um homem que fez coisas ruins nessa vida pode morrer bem, mas isso não significa que a semente desapareceu. Isso responde a pergunta das pessoas que vêem uma pessoa jovem sofrer e não entendem. São as sementes germinando. Se queremos que o mundo e nossas vidas, nossa continuação seja boa, temos que cuidar muito com o que nos impregnamos e que sementes criamos dentro de nós, porque elas germinarão se houver condições propícias. E nós que sabemos que temos sementes más dentro de nós temos que tomar muito cuidado para evitar que elas germinem. É simples assim.

(devido ao retiro de carnaval o blog só retornará dia 12/2/2013)