Follow by Email

terça-feira, 13 de agosto de 2013

A escola Yogacara


PALESTRA do VENERÁVEL DHAMMADIPA

Florianópolis, 28.02.13

Não tenho nenhum tópico específico para falar hoje, mas eu gostaria de falar de coisas que são de interesse de todos nós. O pedido de Genshô Sensei foi que eu falasse sobre Yogacara que, na minha opinião, é uma das direções mais interessantes do Budismo e de grande relevância na tradição Zen.

Como vocês devem saber, há seis escolas no Budismo Chinês e a Escola Yogacara é uma delas. Esta Escola é baseada nos textos de transmissão de “Xuanzang Genzo” e na China não sobreviveu como uma tradição separada. No Japão há um único templo em Nara, que mantém essa tradição viva. Desta forma, a Escola Yogacara está quase extinta como uma tradição independente, mas é fortemente influente em quase todas as escolas do Budismo chinês. Infelizmente quase todo o trabalho que o Monge Xuanzang teve em traduzir os textos, não foi suficiente e devidamente estudado, e isso é uma grande perda para o Budismo.

A Escola Yogacara como o próprio nome diz, está muito próxima do conceito e da tradição da yoga e, de fato, é a própria transmissão dos yoguis dos tempos remotos para os atuais. Como vocês sabem, toda a prática da yoga é voltada para a própria mente, para o lado interior do praticante, isoladamente da influência dos cinco sentidos. O verdadeiro significado do Dharma e da yoga, só pode ser verdadeiramente entendido quando nos voltamos para dentro. Esse também é o principal caminho do Zen. De acordo com o Zen, assim como na yoga, você primeiramente tem que realizar uma mente imóvel. A prática de manter uma mente imóvel é o principal objetivo.

No Zen, além da mente imóvel, existe um aspecto a mais que é realizar e entender que todas as coisas são da natureza da própria mente. Isso é precisamente a base das fundações da Escola Yogacara. A particularidade da Escola Yogacara é que todos os objetos são objetos da mente, ou seja, criados pela mente. Todas as nossas experiências são, de fato, experiências da mente. Isso não foi muitas vezes bem entendido e consequentemente criticado.

Temos que entender que a yoga, assim como o Zen, são inseparáveis da tradição do Yogacara. O Buda Dharma, assim como o Buda Yoga, enfatizam que todos os ensinamentos são meios hábeis para a realização, logo, o entendimento desses ensinamentos também é um meio hábil a nos guiar na prática e é possivelmente um dos meios hábeis mais poderosos nesse sentido.

Os princípios do Yogacara estão baseados nos primeiros escritos originais do Budismo, os “Agamas”. Eles ensinam que a mente é estrangeira a todos os fenômenos e eles são guiados por ela. Na literatura Budista, vocês encontrarão versos como: “O mundo é guiado pela mente e todos os fenômenos estão sob seu poder”. Todos os fenômenos e nossas experiências são guiados pela mente. Os fenômenos são guiados pela mente, no sentido de que damos nomes às coisas e, quando damos nomes às coisas, acreditamos que a realidade corresponde a esses nomes e aos conceitos a eles relacionados. Na realidade, os conceitos que temos são um subproduto de nosso carma. Temos diferentes conceitos porque temos diferentes carmas.

Inicialmente quando vemos um objeto pela primeira vez, o vemos com desejo, ao passo que podemos vê-lo mais tarde com desgosto e depois de mais um tempo com desilusão. Da mesma forma, acreditamos que o objeto está ali porque damos um nome a ele, dessa forma, claramente estamos vivendo sob o poder dos conceitos. Mesmo que não estejamos conscientes deles, eles estão governando nossa mente.  (continua)