Follow by Email

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Os Seis Reinos: Deuses e Semideuses





Depois desse vem o reino dos semideuses. Os semideuses lutam por poder. O mundo dos executivos é bem um mundo de semideuses, sempre com as armas nas mãos, sempre tentando ganhar mais, passar por cima dos outros, obter mais máquinas de guerra, carros, capital, etc. O que não são coisas ruins em si, o dinheiro não é ruim, dá para fazer templos e outras coisas boas, o dinheiro em si é só um instrumento como qualquer outro, depende de como você o usa.

O último é o reino dos deuses, de grande mérito, sabedoria, vidas muito boas, sem esforço, são tão boas as vidas que não há impulso pelo Dharma. Os Budas têm muita dificuldade de ensinar para os deuses, porque eles dizem: “que bom isso, muito bonito”, e aí jogam flores sobre Buda. “Vai lá ensinar para os humanos, eles estão precisando bastante. Eu vou ficar aqui na minha espreguiçadeira, comendo mais um cacho de uvas” - esse é o reino dos deuses, mas os deuses também decaem, perdem, seus méritos se gastam, porque tanto o carma mau quanto bom também diminui com o tempo, e você decai e renasce num mundo humano, por exemplo, para enfrentar problemas de novo. Alguns humanos que conhecemos são deuses caídos: tudo para eles é fácil, nascem em boas condições, tudo vem de presente, boa educação, a família, tudo é bom carma, frutos ainda de um bom carma, e tudo vem como se fosse estalando os dedos. O que é difícil para os outros, para eles é fácil. Isso é fruto de muito bom carma.
 
Essa é uma sinopse desses seis mundos que representam, aqui nesse caso, estados mentais. Há possibilidade de ensinar isso como se fossem realidades também, e assim é feito quando necessário. Porque nada afirma que não existem muitos mundos possíveis de manifestação para os seres, mesmo mundos além da própria forma.

[Trecho de palestra proferida por Meihô Genshô Sensei]