Follow by Email

sábado, 7 de julho de 2012

Satisfação no jogo da vida




Pergunta: Eles estão procurando satisfação?
Resposta: Sim, é verdade, é isto, eles estão procurando satisfação no próprio jogo. A satisfação no jogo é impossível porque sempre tem alguém que tem mais do que você e você quer subir para o próximo degrau. Cada vez que você sobe um degrau tem um outro degrau acima. Elas não sabem como escapar disto. Quando você pergunta para alguém que tem uma lancha, como ele se sente, ele sempre mostra outro que tem uma lancha maior, um iate. Em si nós não podemos dizer que o carro, o iate ou qualquer bem é mau. Todo o motivo da infelicidade está na insatisfação. Não está no bem em si. O bem em si ele é neutro. Nem bom nem mau. É a sua mente que faz a diferença. Se você tiver um carro está feliz com ele, está bom. Mas se você espera obter a felicidade ao ter um carro, vai se frustrar, porque a felicidade não vem dele  e sim da mente com que você vive.
 Então a felicidade é interna, se estiver satisfeito está tudo bem. Se tiver ambicionando sem fim então estarei eternamente insatisfeito porque não alcancei, porque não vou alcançar, porque nenhuma dessas coisas é permanente, elas têm a marca da impermanência, todas elas se destruirão, todas elas se acabarão. Até nós mesmos olhamos para os nossos corpos, e normalmente é bem típico isto, nós olhamos para os corpos e dizemos não estou satisfeito com o meu corpo, então eu quero modificá-lo. Então fazemos operações plásticas e vamos mudando o corpo e pode até chegar ao ponto de transformar uma pessoa em uma coisa feia que ela não pretendia antes ficar, todo plastificado ou um nariz que não combina mais com o rosto. É a mesma coisa de um bem. A plástica em si, intrinsecamente, ela não é ruim. Não tem algo que você possa dizer: ah está errado fazer isto.O que é ruim é a mente de não estar satisfeito e de estar sempre procurando um aperfeiçoamento, porque ela não tem fim. A pessoa faz uma plástica e depois faz outra, outra e se tiver dinheiro pode fazer uma centena e ficar irreconhecível para si mesmo. A questão é onde está a satisfação?