Follow by Email

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Os ingredientes constroem a mente



Pergunta – Monge, gostaria de saber sobre a prática, as vezes e aqui mesmo no retiro, sinto muito sono, as vezes sinto que estou consciente mas não estou, sempre vem palavras ou imagens...elas vem e vão o tempo todo...isso é um sonho?

Monge Genshô – Você está quase dormindo, está muito cansado. Basta você fechar os olhos e as imagens virão. Você está com um déficit de sono, ora, isso é proposital, nós acordamos cedo para que todos fiquem com um déficit de sono, isso ajuda a crise. A cozinha tem ordem de fazer comida simples. Um oryoki faz com quem você coma pouco. Em geral em sesshin todos emagrecem, existe um déficit de alimentação também. Passamos muitas horas sentados, quietos, não precisamos de muita comida. A sexualidade é diminuída ao máximo. Embora sentado em zazen você possa ter fantasias, tentamos nos distanciar de tudo isso. Essas fantasias estragarão seu zazen, pois são invasivas e ficarão rodando na sua cabeça, mesmo com esse tipo de pensamentos, devemos voltar sempre para o momento presente, não se trata de ser bom ou ruim, é simplesmente natural do ser humano. Essas imagens que vão surgindo por que você está no limiar do sono, são interessantes, pois você tem acesso ao seu inconsciente, que normalmente em vigília você não tem. Como você está prestes a adormecer, mas não se pode permitir, tem que ficar presente. Por isso a instrução, não feche os olhos, fique atento, se você fechar os olhos é mais fácil adormecer.

Esclarecimentos ou respostas para Koans podem surgir nesse tipo de situação, problemas que você não consegue resolve, de repente, por ter acesso ao seu inconsciente, você pode alcançar a solução. Técnicas como associação livre já foram tentadas na psicologia, mas você, com esse déficit de sono no zazen, tem acesso ao seu inconsciente de forma direta. Qual o conteúdo do seu inconsciente? É o que esta surgindo agora, é o retrato de sua mente agora. Quem fez essa mente? Você, sempre surgem as coisas que você colocou pra dentro. A receita do bolo sai de seus ingredientes, e os ingredientes são coisas que você assiste, lê, pensa, escuta ou pensamentos que você costuma cultivar. Agora você tem a oportunidade de limpar e reconstruir sua mente. Essa é uma instrução de Buda, “cultive o bem, evite o mal e seja senhor de sua mente”. Estamos tentando uma coisa que a maioria das pessoas não é, senhores de suas mentes. Você pode até ser senhor de seus próprios sonhos, você pode governar isso. Essa é uma habilidade que pode ser treinada e desenvolvida. Muito útil, tanto para resolver problemas como para enxergar o resultado de seu treinamento.

Pergunta – O senhor poderia comentar sobre as técnicas de contagem. Contagem de respiração, elas ajudam bastante, mas é problemático ficar um zazen inteiro contando?

Monge Genshô – Mestre Dogen dizia que contar ou qualquer outra técnica não é a prática essencial dos Budas. Nós temos hoje uma abordagem um pouco mais tolerante, se você tem grande dificuldade, pode começar contando, conte as respirações até dez. Pode recomeçar sempre que necessário. O problema é que isso não é zazen. Isso não é shikantaza, isso é uma técnica para ficar sentado e focado em alguma coisa. Mas porque não é shikantaza? Porque não é zazen? Por que tem alguém contando, tem um observador que conta, tem alguém que se perde e diz, vou voltar ao numero um, tem alguém que diz, agora é sete, depois oito e assim por diante. Tem alguém que diz, cheguei ao dez, volto ao um. Existe um observador e enquanto ele existir você não pode mergulhar na unidade, pois na unidade não existe observador. Não veto, como no tempo de Dogen, o uso de técnicas de contagem para auxiliar a meditação, mas insisto, zazen não é contagem, não é isso. Shikantaza significa apenas sentar, sentar junto com todos os seres. Alguém espirra na sala durante o zazen, Quem espirrou? A Sangha espirrou, o grupo espirrou, o grupo se mexeu. É o nosso zazen, não existe meu zazen. Alguém quebrou uma xícara, nós quebramos uma xícara. Todos esses pensamentos do tipo, não fui eu, foi o outro, fui elogiado, fui criticado, são pensamentos de ego.