Follow by Email

segunda-feira, 4 de março de 2013

Tudo está interligado



Pergunta – Mas o cabide não é um ser, a arvore de onde ele veio pode ser um ser, mas o cabide não.

Monge Genshô – Mas não estamos preocupados se ele é um ser ou não, todas as coisas são manifestações no vazio. O cabide é carbono, saiu de uma árvore e de onde saiu o carbono da árvore? Da atmosfera. O carbono da atmosfera foi condensado em forma de madeira. Pensando dessa forma o que é o cabide? É outra manifestação do carbono. Mas e o carbono que existe na atmosfera, saiu de onde? Veio de uma estrela. Uma supernova, uma estrela que morreu, colapsou. É necessário uma estrela colapsar e explodir para haver produção de carbono. Quando vemos as coisas dessa forma percebemos que todas as coisas estão interligadas. Quanto mais você volta na origem das coisas mais irá perceber que são todas manifestações da mesma coisa. Esse banco onde você esta sentada, é plástico. O que é o plástico?

Aluno – Petróleo.

Monge Genshô – Exato, mas o que é petróleo? Hidrocarboneto. De onde? Gordura de animais mortos há muitos anos. Mas o que são exatamente os hidrocarbonetos, as gorduras? Novamente carbono. Logo, o banco de plástico é parente do cabide de madeira. Se eu queimar a madeira e ela se tornar dióxido de carbono e for para a atmosfera, um animal o respirar ou comer uma molécula de dióxido de carbono, esse no organismo do animal se transformará em combustível, esse ciclo não tem fim. Então, não se trata de ser ou não um ser e sim do fato de tudo estar interconectado. Uma coisa depende da outra. Você só esta aqui conversando porque queima oxigênio. Como o oxigênio chega até suas células? Você enferruja ferro em seus pulmões. O ferro de suas hemoglobinas, que transporta para as células o oxigênio. Na verdade é um processo de enferrujamento. Mas de onde saiu o ferro? De supernovas, estrelas que morreram a  bilhões de anos atrás. Nós somos produtos de lixo estelar, dessa maneira o universo continua através de nós sem parar, carbono, ferro, cálcio, tudo isso é resto de estrelas e está, de alguma forma, conectado a nós. Você não pode dizer que vai sair daqui, você não consegue, você só pode se transformar. O seu carma e sua mente também podem ser transformados, a prática do Budismo é a técnica de transformar a mente para alterar o carma para que as manifestações nesse mundo interconectado e interdependente sejam mais felizes, libertas. Mesmo o fato de manifestar-se como ser humano é uma prisão. Você se manifesta como ser humano porque está condicionado, cheio de desejos e apegos, logo, sempre quer voltar para esse mundo na forma humana. Quando você morre essa onda cármica conserva uma parte da sua consciência, os seus impulsos, e procura se manifestar, tem energia para se manifestar, então, surge novamente, você não lembra do passado, mas ele esta aí, os mesmos desejos e apegos.