Follow by Email

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

QUEM REENCARNA?


Aluno – Então existe reencarnação?

Monge Genshô – De quem? Se não existe um eu como é que existe reencarnação? Se memórias não permanecem, como é que existe? Reencarnação de que? O quê reencarnaria?

Reencarnação é uma palavra que não serve para o budismo, porque ela carrega dentro de si o significado de que um eu repete ou carrega algo para uma nova vida, ganha uma nova carne. Se nós dizemos que não há almas, espíritos ou coisas que o valham e que as memórias locais cessam com a falência de um sistema nervoso central, então o que há para renascer? Só há uma coisa que resta: os impulsos, aquilo que nós chamamos de carma, o movimento do universo. Este movimento pode produzir identidades em novos seres. Então é o carma que produz manifestações, não são as manifestações que carregam o carma.

Essa noção é do espiritismo, há um espírito que carrega uma mochila de carma e vai ganhando corpos novos, e daí vem o conceito de missão, de resgatar, de ir em determinada direção, uma evolução, um progresso permanente. Mas o budismo não tem sequer essa ideia de progresso permanente porque tanto você pode andar para frente como para trás. É fácil você destruir sua vida. Se você quiser você nasce em determinadas condições, mas se você começa a fumar crack vai acabar deitado numa sarjeta se transformando em quase um animal. Pode acontecer isso. Então, você pode andar para trás. E também os universos são cíclicos. Para o budismo, tudo é cíclico. Nada é permanente. Nada vai durar para sempre, nem a humanidade, nem essa terra, nem o planeta, nem o sistema solar, nem este universo.