Follow by Email

sexta-feira, 30 de março de 2018

O Sentido da Vida




A questão sobre esse tema bem importante do inominado, do inconcebível, da vacuidade, é que quando nós enxergamos nossa verdadeira natureza, ou seja, que nós somos manifestações desta grande base, aquilo que nós estávamos procurando como sentido desaparece, porque esta questão de “eu estou procurando um sentido para minha vida” também é uma pergunta falsa, porque é uma pergunta baseada na noção de um eu pessoal. Não tem sentido procurar um sentido para a minha vida, mas tem muito sentido que eu transforme a minha manifestação cármica em uma vida com sentido, realizando e fazendo coisas que dão valor a essa vida. Mas, essencialmente, não tem como nós, manifestações cármicas, irmos embora desse universo, isto nos remete a questões como por exemplo: “suicídio é uma saída?”. Não, suicídio não é saída para coisa nenhuma; você é uma onda cármica, se suicida, o que vai acontecer? Essa onda cármica continua, se manifesta de novo com todos os problemas presentes e mais um. Todos os sofrimentos que você causou com o seu suicídio e ainda com uma tendência para repetir esse procedimento, uma vontade de fazer de novo. Você vê isso como uma saída e pode fazer isso um milhão de vezes sem jamais resolver o problema. Ou seja, só teria sentido tentar resolver o problema mesmo.

[Trecho de Palestra proferida por Meihô Genshô Sensei]