Follow by Email

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Analogias tem limites


P: Podemos ficar levando questões para o zazen?

Monge Genshô:  Você pode, mas não raciocinar no zazen. Você tem uma questão, você faz zazen. Ela continua lá, rodando inconscientemente, não com sua mente racional. Aí, você vai resolver num estalo, de repente achará a resposta. Mas não é através de raciocínio. Os problemas são resolvidos não por pensar, mas por não pensar. Os problemas normalmente são ligados à emoção, não à razão. As verdadeiras grandes questões, são ligadas à emoção. Assim só podem ser resolvidos com a intuição. 
A percepção dessas coisas eu posso explicar, mas se explicar resolvesse, não teria sentido o “vazio é forma e forma é vazio”. As analogias tem limites, elas tem obstáculos, chega um momento que elas não funcionam mais. Você vai sofisticando a pergunta e a analogia não ajuda mais.
 Porque ainda, a água é uma “coisa” e daí na analogia  a água é uma coisa e o vazio seria como a água e aí eu “reifiquei” o vazio, exatamente o que eu disse que não se podia fazer. Porque no vazio  não existe um substrato que sustenta todos os outros ou que é a origem dos fenômenos. Não é assim. O vazio não é isso. Por isso a analogia tem um limite claro. Só serve até determinado ponto. E depois deste ponto é uma dificuldade se a pessoa ficar agarrada na analogia.